Paralisações vitoriosas marcam o início de uma luta

Sem resposta da direção da Cosanpa, vamos seguir nas ações de pressão na empresa

Nos dias 3 e 4 de março, o Sindicato dos Urbanitários do Pará realizará assembleias deliberativas em Belém e regionais.
O objetivo é bem claro, vamos deliberar ações mais enérgicas para pressionar a direção da empresa a honrar sua palavra e cumprir o que foi acordado em mesa.
Na reunião de negociação realizada no dia 13/12/2019, Sindicato e direção da Cosanpa chegaram a uma proposta conjunta para a reposição salarial da data-base 2019. A proposta é de 5,07% nas cláusulas econômicas, parcelado de três vezes: 1,5% em fevereiro/2020, 1,5% em março/2020 e 1,99% em abril/2020. O passivo desde maio de 2019 seria pago em parcelas a partir de maio até dezembro/2020
Ou seja, falta boa vontade da direção da empresa para implementar esse acordo. Por isso, o tempo já é de deliberar greve, uma vez que a primeira parcela do que foi consensado em dezembro de 2019 já deveria ter sido incluído na folha de pagamento de fevereiro, salário que vai sair neste dia 21.
GREVE POR TEMPO INDETERMINADO
Todas as chances já foram dadas à direção da Cosanpa, o prazo acabou, duas paralisações já foram realizadas, agora resta parar a empresa por tempo indeterminado, agora é greve. E para deliberar essa importante e necessário movimento grevista, estamos chamando essas assembleias, participe, sua opinião é fundamental para unirmos força e seguirmos mobilizados em busca do que é justo e direito à nossa categoria.
As paralisações foram vitoriosas, com grande participação dos trabalhadores e trabalhadoras. Todos e todas estão de parabéns. Agora temos que seguir pressionando a empresa, pois não vamos aceitar que a data-base 2019 se junte à de 2020. Isso seria muito prejudicial aos trabalhadores.
CHEGA DE USO POLÍTICO
Sabemos que a empresa tem condições de honrar o acordo e zerar as perdas salariais de seus empregados e empregadas. Bem como é notória a necessidade da empresa dar um basta nas contratações de comissionados, indicações políticas que vêm sangrando ainda mais as contas da Cosanpa.
Agora tem mais a novidade de contratação de pessoal por ordem de serviço, tudo para driblar a obrigatoriedade de realizar concurso público. Chega de uso político da empresa, chegou a hora da Cosanpa priorizar seus empregados e melhorar os serviços prestados ao povo do Pará. Vamos à luta!

Data-base Celpa: Justiça nega liminar solicitada por Janilson Johnny

O empregado da Celpa Equatorial entrou com mandado de segurança no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região tentando cassar a tutela antecipada do Sindicato dos Urbanitários que anula a assembleia convocada ilegalmente por ele (Johnny).
O desembargador do Trabalho Paulo Isan Coimbra da Silva Junior avaliou que o Sindicato não se recusou a realizar assembleia, entendeu que está em curso o processo de mediação no MPT e que “não vislumbro qualquer ilegalidade ou abuso de poder no ato impugnado, que justifique a concessão da liminar requerida pelo impetrante”.
Temos ainda outra decisão favorável aos trabalhadores. Na ação cautelar do Sindicato contra a realização da assembleia, especificamente sobre a multa pelo descumprimento da decisão da 8ª VTB, tivemos parecer favorável do Ministério Público, o qual determinou que a multa seja aumentada para evitar novos descumprimentos. Fique atento!

Sindicatos e Celpa equatorial voltam à negociação

Ficou definido que os sindicatos realizarão assembleias na manhã desta sexta-feira, 21, e a empresa restabelecerá antes do início da assembleia os direitos, independente do resultado das assembleias

Na manhã da quarta-feira, 19, os Sindicatos (Urbanitários e Engenheiros) e a direção da Celpa Equatorial retomaram a negociação da data-base 2019. Ficou definido que a direção da empresa restabelecerá os direitos retirados na manhã desta sexta-feira, recolocando os créditos referentes ao vale-alimentação e vale-natalício nos cartões dos trabalhadores logo cedo, antes da realização das assembleias. Os demais direitos (auxílio-creche e matrícula, adicional para dirigir veículos, etc) serão repostos na sexta-feira que vem, dia 28.
Também ficou definida a prorrogação do acordo coletivo até 29/2.
Os Sindicatos, que nunca se recusaram a realizar assembleia, irão fazê-las na manhã desta sexta-feira, 21, nos portões da empresa, em Belém e regionais. Desta vez, vamos submeter aos trabalhadores e trabalhadoras duas possibilidades, greve por tempo indeterminado ou a aceitação da ínfima proposta patronal. É importante deixar claro que o retorno dos direitos foi condição para que as entidades sindicais realizem as assembleias.
O restabelecimento dos direitos será feito independente do resultado das assembleias, pois são direitos conquistados e não podem ser retirados deliberadamente pela vontade unilateral da Celpa Equatorial.
RESISTÊNCIA E LUTA
A resistência dos trabalhadores, liderados pelo Sindicato dos Urbanitários, representante de fato dos empregados e empregadas da Celpa Equatorial, fez a direção da empresa voltar à mesa para retomar a discussão da data-base 2019 e devolver os direitos da categoria.
Temos que ter consciência de classe, nos unir e nos manter mobilizados, prontos a reagir para defender nossos direitos. Agora está mais do que provado que a empresa não dá nada, ao contrário, tem interesse em tirar direitos e benefícios.
GREVE É O CAMINHO
Temos que mostrar que somos de luta, foi assim que nos fizemos respeitar pelo grupo Rede. Realizamos mobilizações, paralisações e greves e por isso conseguimos obter várias cláusulas novas, importantes ganhos que hoje fazem parte do acordo, como gratificação de férias, vale-aniversário, PLR, adicional de quilometragem, etc. E o principal, conseguimos assinar um acordo pondo fim às demissões. Bastou cruzarmos os braços para nos fazer respeitar. Vamos à luta!

QUARTA-FEIRA, 19, SEGUNDO DIA DE PARALISAÇÃO NA COSANPA

Os trabalhadores e trabalhadoras da Cosanpa estão de parabéns pela vitoriosa paralisação de 48 horas. O primeiro dia, ontem, 18 de fevereiro, foi marcado pela forte participação da categoria. Hoje, 19/2, estamos no segundo dia deste importante movimento em busca de respeito aos trabalhadores e trabalhadoras da Cosanpa.
Como não houve negociação, vamos seguir firmes e fortes para mais protestos, não descartando a possibilidade de uma greve por tempo indeterminado.
As conquistas traduzias nas cláusulas de no acordo coletivo foram adquiridas com muita luta, paralisações e greves. Nossa disposição sempre foi para o diálogo e negociação, mas se for necessário partiremos para as ações necessárias.
É sempre bom lembrar que o motivo da paralisação da semana passada, dia 12, e desta semana, de dois dias, é a busca de nossos direitos.
A direção da Cosanpa deixou de dar resposta ao nosso acordo coletivo, deixando pendente o reajuste salarial e nas cláusulas econômicas, no percentual de 5,07%, referente ao INPC da data-base de 2019.
A negociação teve início em maio do ano passado, pelo período da data-base. A pedido da direção da empresa, deixamos para fechar o acordo somente no segundo semestre de 2019. Reunimos em dezembro do ano passado e chegamos a uma proposta de consenso, proposta esta que teria uma confirmação do governo do Estado, essa foi a palavra dada pelo presidente da Cosanpa. Mas a resposta não veio e nos resta parar a empresa e denunciar o total descaso da direção da Cosanpa com o seu bem mais precioso, o conjunto de seus trabalhadores e trabalhadoras, vamos à luta!