Cosanpa tenta descumprir o acordo de maio. Vamos reagir!

Cosanpa tenta descumprir o acordo de maio. Vamos reagir!

No dia 19 de junho de 2019 o Sindicato dos Urbanitários realizou assembleias deliberativas para submeter aos trabalhadores e trabalhadoras o resultado da negociação com a Cosanpa.
Naquela ocasião, os empregados e empregadas da Cosanpa decidiram, por maioria, aceitar a proposta de acordo negociado entre as partes.
O acordo fechado na data-base era de que o reajuste salarial e nas demais cláusulas econômicas referente à inflação do período (5,07% - INPC/IBGE) seria colocado na pauta novamente em novembro.

NEGOCIAÇÃO


Os trabalhadores e trabalhadoras aceitaram adiar a correção da inflação para seis meses depois da data-base, mas agora, em mesa de negociação, na reunião ocorrida em 20/11, a comissão da empresa vem com uma “conversa mole” de tentar negar a perda salarial. No mesmo instante reagimos enfaticamente afirmando que não vamos aceitar acumular mais perdas.
Por isso, o Sindicato dos Urbanitários do Pará está convocando assembleias (veja quadro ao lado) para que a categoria decida, tome uma posição em relação à essa atitude da direção da Cosanpa de não honrar sua palavra e tentar negar a reposição de 5,07%.
Todos e todas devemos participar das assembleias, que ocorrerão nos portões da empresa, antes do expediente, para decidir ações contra esse descumprimento do acordo negociado em maio e selado em junho.

USO POLÍTICO


Lembramos que infelizmente o uso político da empresa continua a sangrar os cofres da Cosanpa. O contrato de comissionados a peso de ouro segue na mesma linha dos governos tucanos, custando à Cosanpa cerca de R$ 800 mil reais ao mês, só com salários. Se formos somar com os valores referentes aos benefícios e encargos sociais, chegaremos tranquilamente à casa do R$ 1,5 milhão/mês.
Temos a exata noção do que interfere negativamente no desempenho e nas finanças da Cosanpa. São contratos caríssimos e desvantajosos à empresa, que muitas vezes priorizam interesses individuais no detrimento do interesse público.
Não vamos aceitar pagar a conta pelo descompromisso de uma gestão que não enxerga o valor dos empregados e empregadas da Cosanpa!
Se for necessário, vamos usar os instrumentos que cabe aos trabalhadores nesses momentos em que a direção da empresa tenta promover o massacre, o arrocho salarial, a tentativa de piorar ainda mais a qualidade de vida e de trabalho da categoria.

vamos à luta pelos
nossos direitos!

Data-base Celpa 2019: Reunião de negociação nesta sexta-feira, 22

Data-base Celpa 2019: Reunião de negociação nesta sexta-feira, 22

Nesta sexta-feira, 22 de novembro, o Sindicato dos Urbanitários e dos Engenheiros irão reunir com a Celpa Equatorial para a segunda reunião de negociação da Pauta de Reivindicações da Data-base 2019.
A abertura da negociação aconteceu no dia 13 de novembro. Na abertura, como de praxe, foi definido pelas comissões um calendário de negociações, com as seguintes datas: sexta-feira, 22; quarta-feira, 27, e sexta-feira, 29. Ou seja, temos três rodadas de negociações agendadas com a comissão da empresa.
As rodadas de negociação com a Celpa Equatorial acontecerão à tarde, no hotel Regente, em Nazaré, em Belém.
Na pesquisa que originou a Pauta de data-base surgiram oito cláusulas novas, que também foram encaminhadas à empresa e fará parte da discussão que visa a renovação do acordo com avanços que beneficiem os empregados e empregadas da Celpa.
Além das novas, o que vai entrar em discussão entre Sindicatos e empresa é a atualização anual do acordo coletivo no que se refere às cláusulas que têm cunho econômico, ou seja, a renovação de 11 cláusulas, que devido à inflação dos últimos doze meses, sofreram desgaste e precisam ser reajustadas, inclusive com aumento real, sempre no sentido de avançar e liquidar o prejuízo ao bolso dos trabalhadores e trabalhadoras.
O acordo coletivo tem atualmente 47 cláusulas e sete anexos referentes ao Programa de Participação nos Lucros ou Resultados (PPLR), Regimento de Assistência Médica e Odontológica, Código de Ética, Controle de Frequência e Escalas de Trabalho.
Esse acordo é um o maior patrimônio dos trabalhadores e trabalhadoras, pois traz vantagens, direitos e conquistas da categoria. É importante você ler o acordo, conhecer cada cláusula para melhor usufruir de seus direitos. Vamos à luta em busca de mais uma data-base com avanços, contamos com você!

Previous Next

Congresso estadual da CUT Pará Lula Livre

Como fazer sindicalismo em meio ao desemprego e ao emprego informal, enfrentando um governo neoliberal e neofascista? Essas são algumas das reflexões suscitadas na no 13º Congresso Estadual da CUT Pará Lula Livre, que foi aberto nesta quarta-feira, 20, e vai até a quinta-feira, 21 de novembro. As discussões estão acontecendo na sede do Sindicato dos Bancários do Pará, no Umarizal, em Belém.

O Sindicato dos Urbanitários está representado por cinco delegados escolhidos em assembleia específica para a eleição de nossa representação. A resposta parece apontar para a unidade, organização dos sindicatos, das centrais sindicais e de todos os trabalhadores. Precisamos pensar em uma pauta coletiva entre as entidades sindicais, que nos una e mobilize.

O primeiro dia do Congresso aconteceu no Dia da Consciência Negra, data importante para a classe trabalhadora e para o povo brasileiro, que mesmo sendo mais da metade da população do país (55% - IBGE), ainda sofre com o crime de racismo. Nesta quinta-feira, 21, vamos seguir firmes nas discussões e reflexões para enfrentar tempos de ataque aos direitos e conquistas. Vamos seguir resistindo!

#13CECUTPA
#UrbanitáriosNaluta
#UrbanitáriosDoPará

Água: batalha na Câmara dos Deputados contra o PL 3.261/19

Água: batalha na Câmara dos Deputados contra o PL 3.261/19

O Sindicato dos Urbanitários do Pará está na luta contra a privatização da água e do saneamento. Na manhã desta terça-feira, 19, nosso dirigente Pedro Blois, que preside a FNU (Federação Nacional dos Urbanitários), participou de reunião das entidades contrárias ao Projeto de Lei 3.261/2019 na Comissão Legislativa Participativa, da Câmara dos Deputado, em Brasília.

Também presentes representantes da Abes, Assemae, Aesbe, Abar, Fenatema, Ondas, além de dirigentes sindicais dos estados da Paraíba, Pernambuco, Sergipe, São Paulo, Espírito Santos e do Pará, e dos deputados Joseildo Ramos e Afonso Florense, ambos do PT da Bahia. O objetivo foi definir ações contra a privatização da água e do saneamento e a favor da universalização desses serviços à população.

📍 #contraprivatizaçãodaágua

📍 #ÁguaÉvida

📍 #NãoAoPL3261

📍 #UrbanitáriosDoPará