Sindicatos e Celpa equatorial voltam à negociação

Ficou definido que os sindicatos realizarão assembleias na manhã desta sexta-feira, 21, e a empresa restabelecerá antes do início da assembleia os direitos, independente do resultado das assembleias

Na manhã da quarta-feira, 19, os Sindicatos (Urbanitários e Engenheiros) e a direção da Celpa Equatorial retomaram a negociação da data-base 2019. Ficou definido que a direção da empresa restabelecerá os direitos retirados na manhã desta sexta-feira, recolocando os créditos referentes ao vale-alimentação e vale-natalício nos cartões dos trabalhadores logo cedo, antes da realização das assembleias. Os demais direitos (auxílio-creche e matrícula, adicional para dirigir veículos, etc) serão repostos na sexta-feira que vem, dia 28.
Também ficou definida a prorrogação do acordo coletivo até 29/2.
Os Sindicatos, que nunca se recusaram a realizar assembleia, irão fazê-las na manhã desta sexta-feira, 21, nos portões da empresa, em Belém e regionais. Desta vez, vamos submeter aos trabalhadores e trabalhadoras duas possibilidades, greve por tempo indeterminado ou a aceitação da ínfima proposta patronal. É importante deixar claro que o retorno dos direitos foi condição para que as entidades sindicais realizem as assembleias.
O restabelecimento dos direitos será feito independente do resultado das assembleias, pois são direitos conquistados e não podem ser retirados deliberadamente pela vontade unilateral da Celpa Equatorial.
RESISTÊNCIA E LUTA
A resistência dos trabalhadores, liderados pelo Sindicato dos Urbanitários, representante de fato dos empregados e empregadas da Celpa Equatorial, fez a direção da empresa voltar à mesa para retomar a discussão da data-base 2019 e devolver os direitos da categoria.
Temos que ter consciência de classe, nos unir e nos manter mobilizados, prontos a reagir para defender nossos direitos. Agora está mais do que provado que a empresa não dá nada, ao contrário, tem interesse em tirar direitos e benefícios.
GREVE É O CAMINHO
Temos que mostrar que somos de luta, foi assim que nos fizemos respeitar pelo grupo Rede. Realizamos mobilizações, paralisações e greves e por isso conseguimos obter várias cláusulas novas, importantes ganhos que hoje fazem parte do acordo, como gratificação de férias, vale-aniversário, PLR, adicional de quilometragem, etc. E o principal, conseguimos assinar um acordo pondo fim às demissões. Bastou cruzarmos os braços para nos fazer respeitar. Vamos à luta!

QUARTA-FEIRA, 19, SEGUNDO DIA DE PARALISAÇÃO NA COSANPA

Os trabalhadores e trabalhadoras da Cosanpa estão de parabéns pela vitoriosa paralisação de 48 horas. O primeiro dia, ontem, 18 de fevereiro, foi marcado pela forte participação da categoria. Hoje, 19/2, estamos no segundo dia deste importante movimento em busca de respeito aos trabalhadores e trabalhadoras da Cosanpa.
Como não houve negociação, vamos seguir firmes e fortes para mais protestos, não descartando a possibilidade de uma greve por tempo indeterminado.
As conquistas traduzias nas cláusulas de no acordo coletivo foram adquiridas com muita luta, paralisações e greves. Nossa disposição sempre foi para o diálogo e negociação, mas se for necessário partiremos para as ações necessárias.
É sempre bom lembrar que o motivo da paralisação da semana passada, dia 12, e desta semana, de dois dias, é a busca de nossos direitos.
A direção da Cosanpa deixou de dar resposta ao nosso acordo coletivo, deixando pendente o reajuste salarial e nas cláusulas econômicas, no percentual de 5,07%, referente ao INPC da data-base de 2019.
A negociação teve início em maio do ano passado, pelo período da data-base. A pedido da direção da empresa, deixamos para fechar o acordo somente no segundo semestre de 2019. Reunimos em dezembro do ano passado e chegamos a uma proposta de consenso, proposta esta que teria uma confirmação do governo do Estado, essa foi a palavra dada pelo presidente da Cosanpa. Mas a resposta não veio e nos resta parar a empresa e denunciar o total descaso da direção da Cosanpa com o seu bem mais precioso, o conjunto de seus trabalhadores e trabalhadoras, vamos à luta!

ATO PÚBLICO CONTRA DEMISSÕES, PRIVATIZAÇÃO E CONTRA O DESMONTE DO ESTADO NAÇÃO

ATO PÚBLICO CONTRA DEMISSÕES, PRIVATIZAÇÃO E CONTRA O DESMONTE DO ESTADO NAÇÃO

Desde o golpe sofrido pelo Brasil em 2016, o governo golpista (Temer) e o neoliberal/fascista Bolsonaro vêm promovendo um verdadeiro desmonte do País, privatizando o patrimônio público e vendendo as demais riquezas.
O que está posto é claramente uma disputa de classes. O atual governo é apoiado pela super elite (empresários), que defendem o Estado mínimo e o desmonte do Estado Nação. Essa concepção prejudicial ao trabalhador e ao povo brasileiro foi sentida no ano passado pela nossa categoria, quando a holding Eletrobras deixou claro que prepara suas subsidiárias para a privatização, entregando nosso patrimônio a empresas privadas, que visam somente o lucro.
O resultado mais prático do golpe e do governo neoliberal se traduziu em demissões nas empresas do grupo. No pará, foram 21 dispensas, atingindo cipeiros, vítimas de acidente e adoecimentos, além de sindicalistas. Não vamos aceitar esse ataque aos trabalhadores!
Nas reuniões realizadas pelo Sindicato dos Urbanitários em Belém e Tucuruí, decidimos pela realização de um ato público nesta quinta-feira, dia 20 de fevereiro, em Belém, no portão da Eletronorte, na avenida Perimetral (Guamá).
Vamos denunciar à população sobre os malefícios da privatização, processo que resultará em aumento de tarifa, demissão em massa e a precarização dos serviços. Sendo que em muitos municípios do Brasil, populações mais carentes ficarão sem luz elétrica, pois não terão acesso à energia.
Sem contar que a privatizar da Eletronorte e demais empresas significa tornar privados rios, lagos, cachoeiras e outras fontes de água, desasbastecendo quem precisa de água em abundância como é o caso dos pequenos agricultores, responsáveis por 70% da alimentação que o brasileiro coloca na mesa.
Por isso é fundamental que você participe do ato público desta quinta-feira. Defenda a Eletronorte como empresa publica, o patrimônio público e o seu emprego!
VAMOS À LUTA!

PCS: avaliações de desempenho começam no mês que vem

PCS: avaliações de desempenho começam no mês que vem

Conforme o PCS (Plano de Cargos e Salários) dos empregados e empregadas da Cosanpa, em janeiro de 2021 a empresa deverá proceder as promoções por desempenho.
Para que isso ocorra, faz-se necessária a realização de avaliações neste ano de 2020. São três avaliações:
1- Janeiro a março
2 - Abril a junho
3 - Julho a outubro
No mês de novembro, o comitê paritário, inclusive com a participação do Sindicato, a partir das avaliações, divulgará os resultados, cabendo recurso no prazo de 30 dias. Em dezembro o comitê divulgará o resultado final, para proceder as promoções no mês de janeiro.
No dia 14/2 a Cosanpa divulgou na intranet sobre o início do processo de avaliação, com a distribuição da ficha de avaliação em meio digital. As ficha de avaliação em papel serão enviadas aos trabalhadores lotados nos municípios do interior do Estado até o dia 5 de março, para avaliação no período de 10 a 31 de março.
As ficham devem ser devolvidas à empresa no período de 1 a 10 de abril, prazo improrrogável.
É importante que você guarde o comprovante de que você devolveu para a Cosanpa a sua fIcha de avaliação devidamente preenchida.
Então fique atento, procure a sua ficha de avaliação no seu local de trabalho, não perca os prazos para que em janeiro você seja contemplado com a promoção referente ao PCS.
O comitê paritário é composto por quatro representantes da Cosanpa, três integrantes do Sindicato dos Urbanitários e um, do Sindicato dos Engenheiros.