Ação para restabelecer direitos está em curso

Os procedimentos jurídicos para restabelecer os nossos direitos estão em curso. O objetivo é restabelecer os direitos que Celpa Equatorial retirou unilateral e indevidamente dos trabalhadores e trabalhadoras, motivada pela vontade de punir a categoria, que rejeitou sua proposta no final de dezembro do ano passado.
A ação judicial, além de solicitar o devido restabelecimento dos direitos que são garantidos pelo acordo coletivo de trabalho, pede ainda que a empresa seja multada pelo descumprimento de sete cláusulas do acordo coletivo: piso salarial, vale-alimentação, vale-natalício, auxílio-creche, auxílio-matrícula, auxílio-funeral e adicional de quilometragem. A multa por descumprimento dessas cláusulas está prevista no acordo, na cláusula 47 e o valor da multa a ser pago pela Celpa Equatorial será revertido, conforme o ACT, em favor dos trabalhadores.

COSANPA: PARALISAÇÃO DE 24HS NESTA QUARTA-FEIRA, 12

COSANPA: PARALISAÇÃO DE 24HS NESTA QUARTA-FEIRA, 12

Pelo cumprimento do acordo firmado em dezembro de 2019, em mesa de negociação, entre Sindicato e direção da Cosanpa

Cumprindo deliberação dos trabalhadores e trabalhadoras da Cosanpa, temos paralisação de 24h nesta quarta-feira, dia 12 de fevereiro para pressionar a empresa a cumprir o acordo consensado em mesa de negociação em dezembro de 2019.
Esse acordo tem objetivo de zerar as perdas econômicas acumuladas na data-base 2019. A negociação iniciou-se em maio e, a pedido da empresa, ficou para ser concluída em novembro de 2019. Retomamos as discussões e, em dezembro, conseguimos uma proposta de consenso em mesa. O presidente se comprometeu em encaminhar ao governo do Estado para implementar o acordo, mas não o fez.
Na segunda-feira, dia 10 de fevereiro, quase dois meses depois da promessa de ter a liberação do governo, o presidente chamou a entidade sindical para uma reunião. Mas nada foi resolvido. O presidente empenhou sua palavra afirmando que realizaria nova reunião com o Sindicato na terça-feira, 11/2, mas não aconteceu.
Por isso não resta alternativa aos trabalhadores e trabalhadoras: PARALISAÇÃO de 24hs nesta quarta-feira, 12/2.
A paralisação foi decidida pela categoria em assembleias realizadas no dia 12/2, em Belém e regionais. Os trabalhadores e trabalhadoras estão indignados com o descaso da direção da Cosanpa em relação às perdas salariais e nas demais cláusulas econômicas, tanto que definiram que, se a empresa não achar solução para esta pendência, teremos nova paralisação na semana que vem, só que de 48hs, nos dias 18 e 19 de fevereiro.
Lembrando que ficou acertado, em dezembro de 2019, que a proposta seria encaminhada ao governo para confirmação da implementação do percentual de 5,07% sobre todas as cláusulas econômicas, zerando as perdas do período.

Petrobrás chama fura-greves. Aposentados respondem: Não somos traidores, nem pelegos

Petrobrás chama fura-greves. Aposentados respondem: Não somos traidores, nem pelegos

Enquanto mente para imprensa dizendo que greve é fraca, Petrobras muda estratégia e chama até aposentados para furar a greve, coisa que nunca fez

Quando a greve dos petroleiros e das petroleiras, que começou no dia 1º, já atingia mais de 90 unidades em 13 estados, na última sexta-feira (7), os diretores da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e de sindicatos filiados começaram a receber ligações de companheiros que se aposentaram recentemente dizendo que estavam sendo procurados pelos gerentes da Petrobras para que substituíssem os trabalhadores em greve. Eles disseram não.

A convocação de aposentados nunca havia sido feita pela estatal. A Petrobras se limitava a enviar petroleiros fura-greves de um estado para outro para substituir os operadores.

Os sindicalistas afirmam que os aposentados estão revoltados com a atitude da Petrobras e não estão aceitando furar a greve.

Para a FUP e seus sindicatos, é possível afirmar que desde o movimento paredista de 1995, essa é a greve mais forte realizada pela categoria petroleira. Prova disso é a decisão da gestão da Petrobras de abrir processo de recrutamento e seleção para contratar, por dois meses, pessoas para substituir os grevistas.

Na avaliação dos dirigentes, isso explica a decisão da Petrobrás de mudar a estratégia para manter as unidades funcionando ao mesmo tempo em que mente para a sociedade e para a imprensa tentando minimizar o movimento, dizer que ele é fraco. Uma contradição que mostra grande distância entre o que se fala e o que se faz.

 

(CUT Brasil)

Data-base Cosanpa 2020: participe da pesquisa. assembleias dia 13/2

Dando início ao processo de data-base 2020, o Sindicato dos Urbanitários do Pará está distribuindo a pesquisa de data-base (veja no verso), na qual você deve colocar suas reivindicações para este ano.
A data-base é um processo no qual todos devem participar. O Sindicato organiza a pauta, negocia, mobiliza a categoria e, se for o caso, assina o acordo coletivo, ou parte para ação de dissídio.
Os trabalhadores e trabalhadoras devem também fazer sua parte. O primeiro passo é participar da pesquisa, depois comparecer a assembleia, que acontecerá nesta QUINTA-feira, dia 13/2, às 18h, em Belém (sede do Sindicato) e nas regionais regionais, conforme edital de convocação. Preencha a pesquisa que está no verso e entregue ao dirigente/delegado sindical do seu local de trabalho. Vamos à luta. O resultado da pesquisa será votado nas assembleias que definirão a Pauta de Data-base, aquela a ser enviada à direção da empresa. Participe!