Prática antiética da Equatorial é recorrente

Em dezembro/19, a diretoria do Grupo Equatorial foi tão antiética no Maranhão quanto no Pará. Na Cemar, os trabalhadores também disseram NÃO à proposta da empresa. Agindo como criança birrenta que perde e recolhe a bola tentando impor o fim de jogo, na Cemar, a direção do Grupo Equatorial também deixou de pagar o tíquete natalino na data prevista, às vésperas do Natal. O Sindicato dos Urbanitários do Maranhão realizou assembleia e os empregados, coagidos aprovaram a proposta da empresa. Foi uma demonstração clara de que, mesmo tendo condições de prestigiar a categoria com uma proposta melhor, prefere ser vingativa e desumana. Fique atento!

Em assembleias realizadas pelos Sindicatos, categoria aprova proposta

Em assembleias realizadas pelos Sindicatos, categoria aprova proposta

Em assembleias realizadas pelos Sindicatos (Urbanitários e Engenheiros), no dia 21/2, os trabalhadores da Celpa Equatorial aprovaram a proposta de data-base 2019.
Depois de seis rodadas de negociação em novembro e dezembro/2019, as partes voltaram a sentar para negociar no dia 19/2/2020, momento em que ficou estabelecido que as entidades sindicais realizariam assembleia, se a Celpa Equatorial restabelecesse os direitos que foram retirados pela empresa em função dos trabalhadores terem rejeitado sua proposta em assembleias realizadas em 27/12/19.
Conforme o acordo, nesta sexta-feira, 28, serão liberados: salários de fevereiro reajustados em 2,55%; vale-alimentação e natalício de março, com o reajuste; diferenças do vale-natalício dos aniversariantes de novembro, dezembro, janeiro e fevereiro; diferença do vale-alimentação de novembro, dezembro, janeiro e fevereiro; diferença das demais cláusulas econômicas, retroativas a novembro de 2019.
Em 13 de março, serão pagas as diferenças salariais de novembro, dezembro, janeiro, do 13º salário e das férias. Também em 13/3, será realizado o desconto das diferenças do reajuste do plano de assistência médica.
RESULTADO
Nas assembleias realizadas pelos Sindicatos, 839 trabalhadores votaram, sendo dois brancos, nove nulos, 263 na greve por tempo indeterminado e 565 na proposta da Celpa Equatorial, cerca de um em cada três trabalhadores e trabalhadoras disseram SIM para a proposta de greve por tempo indeterminado a partir de 3/3, apontando o despertar para a consciência da necessidade de lutar e sobretudo que podemos ir além, com ganho real, dignidade e respeito, pois a Celpa Equatorial ganha milhões e poderia ter melhorado a sua proposta.
Temos consciência de que muitos foram pressionados a votar a favor da ínfima proposta apresentada pela empresa. Sabemos também que uma parcela dos empregados acaba se deixando levar pelo discurso de gerentes, executivos e diretores.
Cabe esclarecer que o reajuste salarial deles (gerentes, executivos e diretores) é negociado diretamente com a empresa (conforme item 4.3 da cláusula 4ª do ACT - Reajuste Salarial, veja redação abaixo), bem como negociam diretamente com a Celpa Equatorial a PLR.

CLÁUSULA 4a - REAJUSTE SALARIAL
4.3. Estão excluídos do reajuste salarial de que trata esta cláusula os executivos, gerentes de departamento e diretores que renunciarem expressamente a este direito.

Ou seja, eles disseram para a categoria aceitar os 2,55% de reajuste, mas têm tratamento diferenciado, tanto nos salários, como na PLR. Fica aqui o desafio para que a direção da empresa, em nome da transparência, divulgue o reajuste dos executivos, gerentes e diretores, assim como a PLR média dessas pessoas. Lembre-se, em novembro teremos nova data-base. A luta continua!

Paralisações vitoriosas marcam o início de uma luta

Sem resposta da direção da Cosanpa, vamos seguir nas ações de pressão na empresa

Nos dias 3 e 4 de março, o Sindicato dos Urbanitários do Pará realizará assembleias deliberativas em Belém e regionais.
O objetivo é bem claro, vamos deliberar ações mais enérgicas para pressionar a direção da empresa a honrar sua palavra e cumprir o que foi acordado em mesa.
Na reunião de negociação realizada no dia 13/12/2019, Sindicato e direção da Cosanpa chegaram a uma proposta conjunta para a reposição salarial da data-base 2019. A proposta é de 5,07% nas cláusulas econômicas, parcelado de três vezes: 1,5% em fevereiro/2020, 1,5% em março/2020 e 1,99% em abril/2020. O passivo desde maio de 2019 seria pago em parcelas a partir de maio até dezembro/2020
Ou seja, falta boa vontade da direção da empresa para implementar esse acordo. Por isso, o tempo já é de deliberar greve, uma vez que a primeira parcela do que foi consensado em dezembro de 2019 já deveria ter sido incluído na folha de pagamento de fevereiro, salário que vai sair neste dia 21.
GREVE POR TEMPO INDETERMINADO
Todas as chances já foram dadas à direção da Cosanpa, o prazo acabou, duas paralisações já foram realizadas, agora resta parar a empresa por tempo indeterminado, agora é greve. E para deliberar essa importante e necessário movimento grevista, estamos chamando essas assembleias, participe, sua opinião é fundamental para unirmos força e seguirmos mobilizados em busca do que é justo e direito à nossa categoria.
As paralisações foram vitoriosas, com grande participação dos trabalhadores e trabalhadoras. Todos e todas estão de parabéns. Agora temos que seguir pressionando a empresa, pois não vamos aceitar que a data-base 2019 se junte à de 2020. Isso seria muito prejudicial aos trabalhadores.
CHEGA DE USO POLÍTICO
Sabemos que a empresa tem condições de honrar o acordo e zerar as perdas salariais de seus empregados e empregadas. Bem como é notória a necessidade da empresa dar um basta nas contratações de comissionados, indicações políticas que vêm sangrando ainda mais as contas da Cosanpa.
Agora tem mais a novidade de contratação de pessoal por ordem de serviço, tudo para driblar a obrigatoriedade de realizar concurso público. Chega de uso político da empresa, chegou a hora da Cosanpa priorizar seus empregados e melhorar os serviços prestados ao povo do Pará. Vamos à luta!

Data-base Celpa: Justiça nega liminar solicitada por Janilson Johnny

O empregado da Celpa Equatorial entrou com mandado de segurança no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região tentando cassar a tutela antecipada do Sindicato dos Urbanitários que anula a assembleia convocada ilegalmente por ele (Johnny).
O desembargador do Trabalho Paulo Isan Coimbra da Silva Junior avaliou que o Sindicato não se recusou a realizar assembleia, entendeu que está em curso o processo de mediação no MPT e que “não vislumbro qualquer ilegalidade ou abuso de poder no ato impugnado, que justifique a concessão da liminar requerida pelo impetrante”.
Temos ainda outra decisão favorável aos trabalhadores. Na ação cautelar do Sindicato contra a realização da assembleia, especificamente sobre a multa pelo descumprimento da decisão da 8ª VTB, tivemos parecer favorável do Ministério Público, o qual determinou que a multa seja aumentada para evitar novos descumprimentos. Fique atento!