Cosanpa tenta descumprir o acordo de maio. Vamos reagir!

Cosanpa tenta descumprir o acordo de maio. Vamos reagir!

No dia 19 de junho de 2019 o Sindicato dos Urbanitários realizou assembleias deliberativas para submeter aos trabalhadores e trabalhadoras o resultado da negociação com a Cosanpa.
Naquela ocasião, os empregados e empregadas da Cosanpa decidiram, por maioria, aceitar a proposta de acordo negociado entre as partes.
O acordo fechado na data-base era de que o reajuste salarial e nas demais cláusulas econômicas referente à inflação do período (5,07% - INPC/IBGE) seria colocado na pauta novamente em novembro.

NEGOCIAÇÃO


Os trabalhadores e trabalhadoras aceitaram adiar a correção da inflação para seis meses depois da data-base, mas agora, em mesa de negociação, na reunião ocorrida em 20/11, a comissão da empresa vem com uma “conversa mole” de tentar negar a perda salarial. No mesmo instante reagimos enfaticamente afirmando que não vamos aceitar acumular mais perdas.
Por isso, o Sindicato dos Urbanitários do Pará está convocando assembleias (veja quadro ao lado) para que a categoria decida, tome uma posição em relação à essa atitude da direção da Cosanpa de não honrar sua palavra e tentar negar a reposição de 5,07%.
Todos e todas devemos participar das assembleias, que ocorrerão nos portões da empresa, antes do expediente, para decidir ações contra esse descumprimento do acordo negociado em maio e selado em junho.

USO POLÍTICO


Lembramos que infelizmente o uso político da empresa continua a sangrar os cofres da Cosanpa. O contrato de comissionados a peso de ouro segue na mesma linha dos governos tucanos, custando à Cosanpa cerca de R$ 800 mil reais ao mês, só com salários. Se formos somar com os valores referentes aos benefícios e encargos sociais, chegaremos tranquilamente à casa do R$ 1,5 milhão/mês.
Temos a exata noção do que interfere negativamente no desempenho e nas finanças da Cosanpa. São contratos caríssimos e desvantajosos à empresa, que muitas vezes priorizam interesses individuais no detrimento do interesse público.
Não vamos aceitar pagar a conta pelo descompromisso de uma gestão que não enxerga o valor dos empregados e empregadas da Cosanpa!
Se for necessário, vamos usar os instrumentos que cabe aos trabalhadores nesses momentos em que a direção da empresa tenta promover o massacre, o arrocho salarial, a tentativa de piorar ainda mais a qualidade de vida e de trabalho da categoria.

vamos à luta pelos
nossos direitos!


Imprimir