Campanha “Milão não para” foi um erro, admite o prefeito de Milão

Campanha “Milão não para” foi um erro, admite o prefeito de Milão

Acessos: 101

“Erramos”: um mês após campanha para não parar, a região tem 4,8 mil mortos

Entrevistado para o programa “Che tempo che fa”, exibido na RAI, a principal emissora italiana, o prefeito de Milão, Giuseppe Sala, reconheceu, nesta quinta-feira (26/3), que errou ao apoiar a campanha “Milão não para”.

Lançada há exatamente um mês, a campanha estimulava os moradores da cidade a continuarem as atividades econômicas e sociais, mesmo com a pandemia do novo coronavírus.

No início da divulgação da hashtag na internet, em 26 de fevereiro, a Lombardia, região setentrional da Itália, tinha 258 pessoas infectadas pelo vírus, e o país inteiro contabilizava 12 mortes. “Muitos se referem àquele vídeo que circulava com o título #MilãoNãoPara. Eram 27 de fevereiro, o vídeo estava explodindo nas redes, e todos o divulgaram, inclusive eu. Certo ou errado? Provavelmente errado”, reconheceu Sala.

“Ninguém ainda havia entendido a capacidade do vírus, e aquele era o espírito. Trabalho sete dias por semana para fazer minha parte, e aceito as críticas”, afirmou.

Hoje, Milão é uma das três províncias da Itália mais atingidas pela Covid-19, registrando 6.922 casos de pessoas contaminadas. A Lombardia é a região da Itália mais atingida pela Covid-19, registrando 34.889 casos de pessoas contaminadas e 4.861 óbitos, de acordo com balanço da Defesa Civil divulgado nesta quinta-feira, 26 de março, representando 59,2% das mortes no país.

Imprimir