ATO PÚBLICO CONTRA DEMISSÕES, PRIVATIZAÇÃO E CONTRA O DESMONTE DO ESTADO NAÇÃO

ATO PÚBLICO CONTRA DEMISSÕES, PRIVATIZAÇÃO E CONTRA O DESMONTE DO ESTADO NAÇÃO

Desde o golpe sofrido pelo Brasil em 2016, o governo golpista (Temer) e o neoliberal/fascista Bolsonaro vêm promovendo um verdadeiro desmonte do País, privatizando o patrimônio público e vendendo as demais riquezas.
O que está posto é claramente uma disputa de classes. O atual governo é apoiado pela super elite (empresários), que defendem o Estado mínimo e o desmonte do Estado Nação. Essa concepção prejudicial ao trabalhador e ao povo brasileiro foi sentida no ano passado pela nossa categoria, quando a holding Eletrobras deixou claro que prepara suas subsidiárias para a privatização, entregando nosso patrimônio a empresas privadas, que visam somente o lucro.
O resultado mais prático do golpe e do governo neoliberal se traduziu em demissões nas empresas do grupo. No pará, foram 21 dispensas, atingindo cipeiros, vítimas de acidente e adoecimentos, além de sindicalistas. Não vamos aceitar esse ataque aos trabalhadores!
Nas reuniões realizadas pelo Sindicato dos Urbanitários em Belém e Tucuruí, decidimos pela realização de um ato público nesta quinta-feira, dia 20 de fevereiro, em Belém, no portão da Eletronorte, na avenida Perimetral (Guamá).
Vamos denunciar à população sobre os malefícios da privatização, processo que resultará em aumento de tarifa, demissão em massa e a precarização dos serviços. Sendo que em muitos municípios do Brasil, populações mais carentes ficarão sem luz elétrica, pois não terão acesso à energia.
Sem contar que a privatizar da Eletronorte e demais empresas significa tornar privados rios, lagos, cachoeiras e outras fontes de água, desasbastecendo quem precisa de água em abundância como é o caso dos pequenos agricultores, responsáveis por 70% da alimentação que o brasileiro coloca na mesa.
Por isso é fundamental que você participe do ato público desta quinta-feira. Defenda a Eletronorte como empresa publica, o patrimônio público e o seu emprego!
VAMOS À LUTA!


Imprimir