Greve de trabalhadores da Colômbia derrota reforma tributária

Repressão do governo de Iván Duque aos trabalhadores foi brutal e deixou mais de duas dezenas de mortos. Em SP, dirigentes da CUT realizaram nesta quinta ato de apoio aos companheiros colombianos

Entre cânticos, bandeiras com as cores da Colômbia e outras apenas na cor branca, além de cartazes com frases de protesto contra aumento de impostos, a fome e por mais recursos para saúde e educação, trabalhadores e trabalhadoras foram as ruas de Bogotá, nesta quarta-feira (5), para mais um protesto contra a proposta de reforma tributária do governo de Iván Duque, que visa reduzir e /ou eliminar muitas isenções fiscais, como aquelas sobre a venda de produtos.

Para os sindicalistas da CTC, CUT e CGT, as maiores centrais sindicais do país, que lideram protestos contra o projeto de lei do governo, a proposta favorece os ricos enquanto pressiona mais os trabalhadores. Os manifestantes também exigem uma renda básica universal, melhorias no sistema de saúde, pensões e melhor gestão da pandemia do novo coronavírus.

Em São Paulo, sindicalistas da CUT e demais centrais sindicais brasileiras realizaram o ato “Abaixo a repressão do governo assassino de Ivan Duque”, em frente ao Consulado da Colômbia.

De acordo com o secretário de Administração e Finanças da CUT, Ariovaldo de Camargo, o ato foi para prestar solidariedade ao povo colombiano e exigir que o governo de lá dialogue com os trabalhadores.

A CUT e demais centrais entregaram uma carta ao consulado para que o governo de Ivan Duque cesse a repressão policial e retire as reformas em curso que, conforme explica Ariovaldo, “são um ataque brutal aos direitos dos trabalhadores”.

 

Fonte CUT BRASIL