PLR: assembleias dias 27 e 28 de abril

Mesmo discordando da postura e da proposta da direção da Equatorial Pará (Celpa), o Sindicato dos Urbanitários do Pará realizará assembleias para debater e ouvir a categoria sobre as propostas de PLR 2020.
As assembleias serão conjuntas a serem realizadas pelos Sindicatos dos Urbanitários e Engenheiros.
Em Belém serão dois dias de assembleias, 27 e 28/4, às 8h30. Nas demais cidades do interior, as assembleias acontecerão no dia 27. Em ambas, a votação será individual e de forma secreta, ou seja, via cédula em cabine de votação, conforme a matrícula de cada um e de cada uma.
Na assembleia do dia 27 de abril, terça-feira, em Belém, devem participar os trabalhadores/as com matrícula entre 1003359 e 1009435. Já no dia 28, quarta-feira, votarão os trabalhadores/as com matrícula de 1009441 até 1010977. A apuração da votação de todos os locais será realizada no dia 28, quarta-feira.
Sua participação e seu voto são essenciais para a aferição da opinião da categoria em relação às propostas de PLR. Poderão votar os trabalhadores /as que trabalharam na Equatorial Pará (Celpa) no ano de 2020. Veja abaixo as propostas.

Propostas dos Sindicatos
(Urbanitários e Engenheiros)


No que se refere à Bonificação Adicional, nossa proposta é que a empresa pague 50% do Salário Base mais a Periculosidade. Neste caso, seria desconsiderado para efeito de cálculo o Índice de Arrecadação (IAR), pois foi prejudicado pela pandemia, e seria levado em conta somente o indicador Custeio.
A proposta dos Sindicatos também inclui pagamento da PLR pela nota mínima 8 para os que tiraram nota menor que oito. E pagamento conforme a nota, no caso dos que alcançaram notas acima de 8. Nossa proposta tem o objetivo de beneficiar a todos e todas.

Proposta da Equatorial Pará


Diferente das entidades sindicais, a direção da Equatorial Pará (Celpa) não está preocupada com a maioria que já recebe uma PLR menor. A proposta dela visa pagar a PLR principalmente ao seu corpo gerencial, que não atingiu a nota mínima 8 e que recebe uma PLR maior, no valor de seis remunerações em média, muito acima da maioria.
Para não deixar na mão principalmente diretores, gerentes, executivos e líderes, a empresa propõe excepcionalmente pagar de forma proporcional à pontuação. Na proposta da empresa, não há pagamento de Bonificação Adicional.

Injusto


Não é justo deixar de pagar a Bonificação Adicional, pois os trabalhadores/as não têm culpa pelo não alcance do IAR, que deixou de ser atingido devido à impossibilidade do corte, da cobrança e consequentemente do faturamento, tudo em decorrência do estado de emergência devido à Covid-19. Quando da negociação da PLR no ano passado, o que está registrado em ata, avisamos que os indicadores precisavam ser revistos devido à pandemia e propomos a rediscussão, naquela ocasião a empresa não quis aceitar a argumentação dos representantes dos trabalhadores/as e agora quer fazer a categoria pagar essa conta. Isso não é justo!

Avalie as propostas e decida. É sempre oportuno lembrar que uma empresa que tem lucro milionário mesmo em plena crise (R$ 624 milhões) tem todas as condições de pagar uma PLR justa para todos/as, com Bonificação Adicional e prestigiando os que trabalham duro para fazê-la uma das mais rentáveis empresas do setor elétrico do Brasil.


Vamos em frente
e a luta continua!


Imprimir