No último dia do mandato, Maia ameaça aceitar pedido de impeachment de Bolsonaro

Traído pelo seu próprio partido, o DEM, que abandonou a candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) à sua sucessão, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ameaça aceitar um dos quase 60 pedidos de impeachment contra Jair Bolsonaro que ele engavetou nos últimos dois anos.

#CoragemMaia ecoaram os internautas nas redes sociais, e rapidamente a hashtag passou a ser usada por artistas e militantes no Twitter.

Para Gregório Duvivier, essa é a chance de Maia não entrar para a história como um covarde.

É a sua chance de não entrar para a história como um covarde, @RodrigoMaia! #CoragemMaia https://t.co/vdqWQbAE6s

— Gregorio Duvivier (@gduvivier) February 1, 2021
E Maia tem apenas um dia para aceitar um dos pedidos de impeachment de Bolsonaro. Seu mandato termina nesta segunda-feira (1º), nova a eleição da nova cúpula da Câmara e do Senado.

De acordo com a Folha de S Paulo, Maia afirmou a pessoas próximas que tem em mãos um parecer jurídico favorável ao processo, que pode ser usado para embasar uma eventual decisão nesse sentido.

Apoiado pelo presidente da República, Arthur Lira (PP), é o favorito na disputa. Baleia Rossi, apoiado por Maia, desafeto de Bolsonaro, vem sendo abandonado nos últimos dias por várias legendas e no fim de semana, ACM Neto, presidente do DEM liberou a bancada para votar em quem quisesse, ou seja, abandonou o barco e traiu Maia, que agora pode até mudar de partido.

Com Lira no comando da Casa, as chances de aceitação de pedido de impeachment de Boslonaro são praticamente zero. Pela legislação, cabe ao presidente da Câmara decidir, de forma monocrática, se há elementos jurídicos para dar sequência à tramitação do pedido.

O impeachment só é autorizado a ser aberto com aval de pelo menos dois terços dos deputados (342 de 513) depois de uma votação em uma comissão especial.

Após a eventual abertura pelo Senado, o presidente é afastado do cargo.

Fonte: CUT Brasil


Imprimir