Operador da Cosanpa trabalhava sozinho, teve parada cardíaca de madrugada e veio a falecer

O empregado da Cosanpa Anderson Schneider, que trabalhava como operador no sistema de abastecimento, em Marituba (Viver Melhor Marituba), estava em plena atividade profissional na quinta-feira, 17 de maio, quando passou mal.
Ocorre que devido à Cosanpa  insistir em economizar deixando de contratar segurança e colocando os operadores para trabalharem sem outro operador, Anderson trabalhava de madrugada sozinho.
Ele teve fortes dores no peito, conseguiu ainda ligar para a esposa dele, que foi ao local e o levou a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA).
Da UPA, foram para o hospital da Unimed, onde o estado de saúde dele já estava bastante agravado e durante o atendimento, ele teve uma parada cardíaca e veio a falecer.
Não temos dúvida que Anderson foi vítima da irresponsabilidade da Cosanpa. Esse operador sofreu as fatais consequências da falta de compromisso da empresa com o bem estar, segurança e com a vida de seus empregados.
Recebemos denúncias de que o local onde ele estava trabalhando quando passou mal é um dos lugares mais distantes da região metropolitana, ainda assim, trabalhava sem ajudante.
Os companheiros que atuam naquele município reivindicam mais operadores e vigilância, pois os que ali atuam, sozinhos,  estão expostos a uma diversidade imensa de ocorrências, que vão desde problemas de saúde, como o que vitimou Anderson, até assaltos e violências.
A empresa precisa fazer alguma coisa para mudar essa absurda situação, caso contrário, os trabalhadores continuarão vulneráveis ao perigo de cumprir suas jornadas em lugares isolados e sem condições de trabalho e de segurança! 
É difícil afirmar que se Anderson estivesse acompanhado ou se tivesse socorro em tempo mais rápido, teria sobrevivido, mas é certo dizer que a Cosanpa tem responsabilidade neste triste e lamentável ocorrido.